terça-feira, 17 de dezembro de 2013

domingo, 15 de dezembro de 2013

Boas Festas 2013!


Era uma vez um duende, em cadeira de rodas, que tinha uma grande missão.... ILUMINAR O NATAL!!!

video



Dia Internacional das Pessoas com Deficiência 2013, em Matosinhos.

“Todos diferentes, todos iguais” foi o lema que marcou o 3 de Dezembro de 2013 - Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, em Matosinhos.
Após cerca de uma quinzena de exposição, conferências e actividades dedicadas as todas as idades, a 15ª edição da iniciativa “Juntos pela Arte” encerra em grande, mostrando ao público fantásticos talentos.
A peça de teatro “Branca de Neve Rockability” animou todos os miúdos e graúdos que vibraram com a alegre música que acompanhava a extraordinária representação da APPACDM Trofa.
Num ambiente alegre e descontraído, crianças do infantário e do ensino básico, a ACAPO e a APPACDM Matosinhos, divertiram-se com a originalíssima peça cheia de sentido de humor, podendo também conversar com os actores e orientadores da peça para esclarecerem qualquer dúvida que pudesse ter ficado.
No entanto, a rainha malvada, o pajem / caçador, os sete anões e anãs, a Branca de Neve e o príncipe Roqueiro, deixaram muito poucas dúvida e os aplausos encheram o Salão Nobre, que se tornou num espaço mágico, onde o preconceito foi proibido de entrar.
Os sorrisos continuaram com o poema “Todos diferentes, todos iguais” e o conto “O Giramelo” de Rita Cuca.
O Giramelo feito em massa de papel pelos alunos da Escola Básica 1º ciclo e Jardim de Infância da Viscondessa de Santa. Cruz do Bispo, resolveu juntar-se à festa e andar a passear pelo público com o seu sorriso doce. Todo feliz, lá andou ele a receber muitos mimos de todos os presentes. Mas, mais maravilhoso de tudo isso foi que, graças ao Giramelo dos meninos da Escola da Viscondessa, os cegos também puderam tocar-lhe e descobrir a forma desta simpática personagem, o camelo que queria ser girafa.
Estavam todos tão divertidos que não havia vontade de se irem embora! No entanto, a tarde terminou com a muito boa disposição do Ioga do Riso.
Deste modo, as crianças puderam conviver com vários tipos de deficiência, destruindo assim os estereótipos e ideias mal formadas sobre esta realidade. Experiencias como estas são extremamente importantes, porque se habituarmos desde cedo as crianças a lidarem com as diferença de forma natural e solidária, no futuro teremos uma sociedade muito mais aberta e inclusiva.
Para as pessoas com deficiência, estas experiencias são fundamentais para que elas se sintam felizes e integradas na sociedade. Para elas, é uma grande alegria poderem mostrar as suas potencialidades e o trabalho que desenvolvem durante longos meses nas suas instituições. São momentos únicos, em que elas se sentem úteis e iguais aos ditos normais.
Num momento como este não podia faltar a Língua Gestual Portuguesa! Pudemos contar com a colaboração de Amélia Amil, que faz a tradução para LGP, durante a hora o conto, dando assim a conhecer, ao público presente, esta maravilhosa forma de comunicação.
Mais surpresas encheram a noite de 3 de Dezembro, quando a APPACDM Matosinhos nos transportou para o fundo do oceano com a sua encantadora peça de teatro de marionetas de esponja. O público emocionou-se com um bailarino em cadeira de rodas que se transforma num grande polvo, quando os seus colegas, num pezinho de dança, lhe vão colocando os oito tentáculos, onde por fim adormecem tranquilamente. “Sozinhos somos frágeis, mas todos juntos tornamo-nos fortes e protegemo-nos uns aos outros, encontrando assim a paz” foi esta a metáfora do grande polvo que dificilmente se apagará da memória de quem assistiu a este momento tão intenso e mágico.
A festa continuou com o Bruno Gomes, um jovem músico que, apesar de não ter numa deficiência, também tem que lutar diariamente para conseguir concretizar o seu sonho de fazer uma carreira musical, pois não basta o seu talento. Bruno animou o público com os seus originais e com canções intemporais, proporcionando assim um agradável momento de descontracção.
O duo Joana Reais e guitarrista Mucio Sá fecham a festa em grande. Mais um vez o público verteu lágrimas de emoção, quando Joana entrou em palco totalmente despida de preconceitos, com o seu vestido curto que deixava exposta a sua prótese. Joana surpreendeu-nos com a sensualidade com que canta todo o género de música, já para não falar da sua incomparável voz de anjo que nem precisou de microfone para deixar o público completamente encantado.
Todos estes artistas mostram que qualquer que seja a limitação, esta não é motivo para desistirem dos seus sonhos e que, a sociedade só tem a ganhar, se esquecer os estereótipos de beleza/normalidade e der mais oportunidades, valorizando mais as potencialidades de cada indivíduo.
Desta forma, o “Juntos pela Arte” provou, não só ao público em geral, mas também a cada participante, que, apesar das suas limitações, todos têm diferentes formas de expressão e que todas juntas podem constituir um mundo mais harmonioso, onde a tecnologia e as capacidades de uns ajudam a superar as incapacidades de outros.
Juntos conseguimos um Mundo de todos e para todos!