terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Natal 2009


segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

A menina que calou o mundo por cinco minutos

video

Eis a prova como os adultos têm tudo para aprender com as crianças. Acho bem que o façam rapidamente porque, tal como ilustra a menina, a humanidade está a torna-se a principal ameaça da humanidade. Que tal menos cimeiras, conferências, palestras... menos treta e mais acção?! Há demasiada bagunça no mundo, que precisa que ser limpa agora e já, pois amanhã é muito tarde. E sem Mundo, também não existe humanidade...

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

A minha 1ª palestra

Tendo a minha mãe como porta-voz, falarei de situações de discriminação, apresentando também sugestões de mudança.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

"Sorriso da Diferença" - Um exemplo a seguir!

Três finalistas do 12º ano do Centro de Estudos de Fátima desenvolvem um trabalho para a Área de Projecto. O tema escolhido para esta área curricular foi Patologias Psiquiátricas, tendo como título "O sorriso da Diferença".
O projecto consiste num conjunto de actividades lúdicas, que decorrerão em Fátima, durante o mês de Abril, com o objectivo de sensibilizar a população para a questão da deficiência.
O jovens agarram o projecto com paixão e ambição, querendo dar o seu contributo contra a discriminação. Cada um dos três alunos patilha a sua visão sobre a deficiência, tendo todos o mesmo objectivo.
“Quero dar a conhecer à população em geral esta realidade, quero aprofundar os meus conhecimentos acerca da temática em causa e sobretudo puder contribuir para um mundo mais sensível onde a diferença não seja vista de lado!!!” – diz o Vasco.
Joana conta que se sente revoltada com a forma negativa como a sociedade olha para os deficientes: “Pretendo, assim, através do trabalho de Área de Projecto, mostrar à sociedade que as pessoas portadoras de certas doenças têm, tal como todos, imensos objectivos, querendo também colaborar na diminuição dos obstáculos injustificados que lhes são colocados durante o caminho para alcançar os seus sonhos. Desejo, sobretudo, contribuir, o pouco que seja, para alterar a visão errada que a maioria da sociedade tem em relação a esta temática”. Assim como Cláudia: “encaro este projecto como uma possível forma de mudança, de mentalidades, ideias, costumes da nossa sociedade, apesar de ser um projecto muito ambicioso, bem sei, e talvez inglório, pois vivemos um “país fechado”, retrógrado quando toca à diferença, à novidade. Infelizmente, vivemos numa sociedade que rejeita, desrespeita, “agride” as pessoas que têm uma diferença, a qual deveria ser vista com normalidade, carinho e afecto, pois são pessoas que não têm culpa de serem portadoras de determinada doença, que têm sentimentos, ideias, objectivos e sonhos, como os “ditos normais” e portanto precisam de ser ouvidos, ajudados a realizar esses sonhos, a mostrar as suas qualidades, a serem felizes. Por isto tudo, considero imperioso fazer alguma coisa para que os direitos destas pessoas sejam finalmente cumpridos e respeitados. Anseio mudar a mentalidade da sociedade, ambiciono deixar a minha marca, numa sociedade tão egoísta, torná-la diferente e mais uniforme, algo, que parece impossível, mas tenho algo dentro de mim que obriga a agir e não baixar os braços, pois esta realidade, em que hoje vivemos entristece-se-me”.
Numa sociedade individualista como a nossa, é de louvar que três jovens, sem qualquer tipo de incapacidade, se preocupem e disponham a lutar contra a discriminação das pessoas com deficiência. Que muitos outros sigam o seu exemplo, porque só assim é que teremos um mundo mais justo, unido e feliz!
O grupo pediu-me ajuda e eu não pude deixar de dar o meu pequeno contributo para este grandioso projecto. Para tal, criei o logótipo “Sorriso da Diferença”, cujo site é http://osorrisodadiferenca.weebly.com .

sábado, 21 de novembro de 2009

A Música de Junqueiro

“A Escola das Artes da Universidade Católica Portuguesa no Porto promove esta Terça-feira, 17 de Novembro, no Auditório Ilídio Pinho, a cerimónia de lançamento da obra “A Música de Junqueiro”, num concerto com vídeo, dança, música e poesia ao vivo.
O livro e o CD duplo que o acompanha constituem o primeiro resultado de um projecto mais vasto – «Revisitar, Descobrir Guerra Junqueiro» –, do Curso de Som e Imagem da Escola das Artes. Sob a coordenação e direcção científica de Henrique Manuel S. Pereira, esta iniciativa conta com o apoio da Comissão Nacional para as Celebrações do Centenário da República.
«Revisitar, Descobrir Guerra Junqueiro” é um projecto que congrega largas dezenas de autores, emergentes e consagrados, de várias gerações e quadrantes, de dentro e fora da Escola das Artes, em serviço diferenciado, mas convergente.
Entre dezenas de outros, são de destacar Eduardo Lourenço, Mário Soares, D. Manuel Clemente, Manoel de Oliveira, Maria Helena Rocha Pereira, Nuno Júdice, Eunice Muñoz, Ruy de Carvalho, António Salgado, Suzana Ralha, José Rodrigues, Pedro Abrunhosa, Jorge Palma e José C. Seabra Pereira.
Do projecto global fazem parte um documentário, um livro de entrevistas, uma fotobiografia, um site, um blog e um livro com CD duplo.
” In http://www.agencia.ecclesia.pt/cgi-bin/noticia.pl?id=76025


Finalmente, senti que estamos perante uma escola de artes, que produz arte, usando a sua multiplicidade de meios tecnológicos e criativos!
Finalmente, houve um Professor que se lembrou de criar um projecto diferente, que envolve alunos e professores dos vários cursos da Escola da Arte, bem com pessoas e entidades exteriores à Universidade Católica Portuguesa.
E o resultado está à vista! Foi um espectáculo extraordinário, super variado, muitíssimo bem organizado, sem falhas.É extraordinária a multiplicidade de registos e formas que deram ás músicas de Junqueiro, quer no espectáculo de lançamento, quer nos cd's. A mistura de gerações, de tecnologias, performances... Está tudo feito com muita criatividade e profissionalismo.
Confesso que não contava com um projecto com tão alta qualidade. Não por falta de competência dos intervenientes, mas por ser uns dos projectos mais (se não o mais) ambiciosos, feitos na Escola das Artes, nestes últimos cincos anos. É um projecto que exige alguém com uma grande coragem, muita responsabilidade e capacidade de liderança, pois não é nada fácil motivar e gerir uma equipa de dezenas de pessoas. Por isso, o Prof. Henrique Pereira e respectiva equipa, estão de Parabéns e espero que a Universidade Católica Portuguesa continue a apostar em muito mais projectos e espectáculos como este!
Site do projecto: http://www.artes.ucp.pt/guerrajunqueiro

Rita Silva
21 de Novembro de 2009

domingo, 1 de novembro de 2009

Rita Cuca nos Talentos Fantásticos 2009

Tenho, pela primeira vez, um conto publicado! "O Raio de Sol" (2004) foi seleccionado para fazer parte de um antologia relacionada com o tema do fantástico, composta por 113 obras dividas em categorias de conto, ilustração e poesia. Uma iniciativa da editora Edita-me.
Mais informações em: http://www.edita-me.pt/product_info.php?products_id=56&osCsid=0fcb17acc3d61d1e980f7c5e66849325

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

A Paixão Secreta de Uma Folha em Branco

Espero encontrar o preto, já que o branco faz para sempre parte de mim.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Guilhreme Pinto venceu - Matosinhos tem futuro garantido

Com honestidade, solidariedade, empenho e simplicidade, o Partido Socialista vence as eleições autárquicas, em Matosinhos.
A vitória do Dr. Guilherme Pinto é também a minha. Apesar de não ter entrado para a Câmara, a minha participação na política contribuiu para um novo olhar sobre a deficiência.
Graças a esta participação e à carinhosa homenagem que o Dr. Guilherme Pinto me fez, no comício de encerramento, onde me apresentou pelas minhas habilitações e desempenho na campanha, as pessoas passaram a olhar para mim como a Dra. Rita e não como "aquela menina deficiente". Nenhuma campanha de sensibilização consegue o que Dr. Guilherme conseguiu num mês e meio. Pela primeira vez em 25 anos, pude sentir-me como uma pessoa normal e a minha cadeira de rodas passou a ser um pormenor banal.
A vitória do Dr. Guilherme Pinto é também a daqueles que lutam diariamente contra a discriminação, por um mundo mais justo e unido!
Matosinhos é já um grande exemplo, mas tenho a certeza que daqui para frente, com o Dr. Guilherme Pinto e sua equipa, será um concelho de destaque nacional. E eu estarei sempre pronta para o ajudar.
Matosinhos tem garantido um futuro com dignidade e igualdade para todos os cidadãos!

domingo, 11 de outubro de 2009

Jovem com paralisia cerebral em 11º lugar na lista de Guilherme Pinto para a Câmara

Tem 25 anos, está a concluir o mestrado em Televisão e Argumento e integra a lista de Guilherme Pinto à Câmara de Matosinhos: Rita Silva é uma jovem com paralisia cerebral que superou todas as barreiras e chega à política local.


Rita Silva, que tem paralisia cerebral desde a nascença, foi convidada pelo candidato do PS à Câmara de Matosinhos, Guilherme Pinto, para assumir o 11º lugar na lista de efectivos para as eleições autárquicas do próximo domingo.
A mãe da Rita, que tem o mesmo nome da filha, contou à Lusa que a primeira reacção da jovem depois de receber o convite do actual autarca matosinhense foi: "não, não me quero meter na política".
"Depois conversámos e achámos que se calhar era bom para toda a gente, nomeadamente para as outras "Ritas" que existem. É uma oportunidade de fazer valer os direitos à igualdade para que olhem para eles da mesma forma", explicou a mãe da jovem candidata.
Através do computador que a liga ao mundo - Rita tem um blog e um site, faz pintura digital, escreve contos e histórias infantis e estuda para o mestrado que está agora a concluir na Universidade Católica do Porto - a jovem escreveu um texto onde explicou e contou a aventura que está a viver no mundo da política local.
"Mesmo sendo a última da lista e, por isso, ter poucas hipóteses de entrar agora para a câmara, o facto de estar na lista dos efectivos é uma grande vitória contra a discriminação. Finalmente, alguém julgou o deficiente pelas suas competências e não pela imagem, dando-lhe a mesma oportunidade que dão aos outros", sublinhou Rita, que votou pela primeira vez nas últimas eleições legislativas de 27 de Setembro.
Mas o papel de Rita na lista é mais do que um mero símbolo contra a discriminação, uma vez que as medidas que a jovem apresentou foram incluídas no programa social da candidatura socialista à Câmara de Matosinhos para as eleições de dia 11 de Outubro.
"Apresentei já uma lista de medidas que devem ser tomadas, não só a nível autárquico mas também a nível nacional, para melhorar as condições de vida do cidadão com deficiência, medidas que já estão a ser analisadas pelos vereadores da câmara", disse a jovem candidata que tem participado numa grande parte das acções de campanha de Guilherme Pinto.
A mãe Rita confessou que à data do convite temeu que a presença da filha fosse "explorada", uma vez que "lamentavelmente a sociedade diz que os aceita mas isso é mentira".
Rita, conhecida pelos amigos como Rita Cuca, continua no seu texto: "Confesso que não estava à espera de ser tão bem recebida neste meio, tive algum receio que me fossem pôr um pouco de lado ou que se aproveitassem da minha imagem. Isso não aconteceu, fui sempre tratada da mesma forma que todos os outros candidatos".
Guilherme Pinto disse à Lusa que a jovem "é dos maiores exemplos de coragem e determinação" que já viu na sua vida, tendo percebido "que estava perante uma lutadora".
"Ter uma pessoa como a Rita Silva na minha lista à Câmara é uma garantia de que vamos estar atentos às necessidades dos portadores de deficiência. É obrigatório, ela não vai deixar que nos esqueçamos disso", salientou o autarca e candidato a mais um mandato, que sublinhou ainda o facto do programa eleitoral, nomeadamente no que respeita à área social, ter sido construído com a ajuda da Rita.



Por: Lusa, 07 de Outubro de 2009



Link: http://dn.sapo.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=1383447&seccao=Norte

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Lágrimas com sentido

Ontem, na novela "Viver a vida", fiquei encantada com o testemunho de Virgínia Diniz Carneiro. Podem vê-lo em: http://especial.viveravida.globo.com/portal-da-superacao/tag/virginia-diniz-carneiro/ .

Passei também a usar a sua máxima: "As emoções me fazem chorar, as tristezas me fazem crescer".

Parabéns Manoel Carlos, por mais uma magnífica obra que nos mostra o que é a vida e a deficiência, tal como ela é!

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Noite na Praceta das Farrapas

Nestes últimos tempos, tenho vivido uma série de experiências e emoções que modificaram muito a minha forma de ver e de estar no mundo.Como já tenho dito neste blogue, é possível ser-se feliz com pouco e as crianças são a prova disso.Na acção de campanha de sexta-feira à noite, na Praceta das Farrapas (Perafita - Matosinhos), senti-me como o Pai Natal. Mesmo sem presentes para oferecer, as crianças andavam à minha volta, curiosas, alegres por me poderem oferecer brindes, comida e sobretudo muito carinho. Estavam felizes só por dançarem e fazerem gracinhas das quais eu ria com ternura. O meu sorriso e carinho bastava-lhe.Estas crianças maravilhosas, a quem muitos põem o rótulo por viverem em bairros sociais, mostram que o importante é ser-se feliz e ter orgulho no que somos. E isso consegue-se facilmente, basta não ter preconceitos e não ter vergonha de dar o pouco que temos, pois tudo o que é dado com amor, vale mais do que qualquer tesouro.Ao receber este carinho destas crianças, eu ganhei, sem dúvida, um grande tesouro que guardarei para sempre no meu coração. É pena que os adultos não aprendam a ser puros e humanos como as crianças.

PS Matosinhos - CONSTRUIR O FUTURO

Quando o Dr. Guilherme Pinto me convidou para fazer parte da sua lista de candidatos efectivos, aceitei o convite de imediato.É para mim uma honra fazer parte desta equipa, que trabalha incansavelmente por um Matosinhos melhor. Graças ao Dr. Guilherme Pinto e à sua equipa, Matosinhos é hoje um concelho exemplar, que se preocupa em primeiro lugar com o bem-estar de todos os cidadãos. O Dr. Guilherme Pinto vai ao encontro das pessoas, para sondar quais são as suas verdadeiras necessidades, procurando dar-lhes sempre a melhor resposta.Matosinhos é hoje um concelho acessível a todos, embora ainda haja muito a fazer. Todos os planos do Dr. Guilherme Pinto apontam para um Matosinhos 100% acessível a qualquer cidadão com necessidades especiais. O facto do Dr. Guilherme Pinto me ter convidado ­– uma jovem com necessidades especiais – para fazer parte da sua lista, é a prova de que ele luta por um Matosinhos, onde a palavra “discriminação” não entra. Julgo que é o primeiro candidato a fazê-lo, por isso, a sua obra não pode ser interrompida.Para mim será uma enorme alegria, se um dia, eu poder participar activamente na sua luta por um futuro com igualdade e dignidade para todos os cidadãos que vivem e passem por Matosinhos.
28-08-2009

quarta-feira, 29 de julho de 2009

O Mundo Colorido de Rita Cuca

Isso sim, é uma verdadeira jornalista, sem medo de dizer a verdade!
Leiam o fabuloso artigo de Helena Oliveira em http://www.ver.pt/conteudos/ver_mais_Sermais.aspx?docID=867

terça-feira, 28 de julho de 2009

Olhar-Espelho

A verdadeira beleza de uma pessoa reflecte-se na pureza do seu olhar, que nos toca desde o primeiro instante.

sábado, 25 de julho de 2009

Disfarce da verdade

É mais fácil disfarçar a verdade do que manter a mentira.

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Celebridade

Muitas vezes, as grandes celebridades são mais acessíveis, do que aqueles que têm a mania que são mais importantes dos que outros. A verdadeira celebridade é quem não perde a humildade, quem procura ajudar e tratar com respeito e dignidade todos os que dela se aproximam.

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Você é Forte?

video

Este vídeo que me chegou hoje, via mail, é Fabuloso! E mais fabuloso ainda é facto das escolas investirem neste tipo de lições, essas sim são escolas a sério! É pena que em Portugal não se sigam estes exemplos... Porque o Homem não se faz só com matemática!

Liberdade de Expressão

Somos completamente livres de pensar, mas não podemos expressar tudo o que pensamos de forma literal. No entanto, podemos fazê-lo disfarçadamente, através da arte, uma vez que esta é uma metafora da realidade. A liberdade de expressão consegue-se através da forma inteligente, criativa e cautelosa como nos exprimimos.

terça-feira, 21 de julho de 2009

Dar

Tudo o que tenho será para te oferecer, sempre que quiseres receber.

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Cuidar do Mundo

O mundo nunca nos deve nada, é nossa obrigação cuidar dele e torna-lo melhor. Ao fazê-lo estamos a cuidar de nós próprios, pois o mundo é a nossa única casa e viver numa casa suja e desarrumada, nunca foi agradável.

domingo, 19 de julho de 2009

Homens e Novelas

O homem sozinho faz novela, o homem com sogra vê novelas.

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Assumir Sentimentos

Não basta sentir, também é preciso ter coragem de assumir os sentimentos e manifestá-los, antes que seja tarde demais.

domingo, 5 de julho de 2009

Informação Nacional

Vivemos num país anedótico, onde todos mentem e onde já ninguém acredita em ninguém. Chegamos a um ponto que vemos as notícias como se fossem novelas, basta vê-las uma vez por semanas, que está sempre tudo na mesma.

sábado, 4 de julho de 2009

Nobreza de Sentimentos

O respeito pelo próximo é a atitude mais nobre que existe, enquanto que o sentimento de piedade é mera hipocrisia.

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Amor, o Sentimento

O amor verdadeiro fica para sempre no nosso coração. Mesmo que nos separemos e tomemos rumos de vida diferentes, este profundo sentimento estará sempre connosco, pois é impossível apagá-lo da nossa memória.

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Estupidez

Se a estupidez matasse, a humanidade estava em sério risco de extinção.

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Dimensão dos Problemas

O mesmo problema é vivido com intensidades diferentes, dependendo da idade, cultura, educação e características de cada pessoa.
Para uma criança, perder o seu ursinho de peluche preferido é tão dramático como, para um adulto, perder o seu melhor amigo.
Por isso, os problemas têm que ser avaliados e respeitados de acordo com cada pessoa.

terça-feira, 30 de junho de 2009

O poder dos mídias

A melhor maneira de resolver as coisas, em Portugal, é recorrer aos meios de comunicação social. Expõe-se o problema e no dia seguinte está resolvido! Não é fantástico?

domingo, 28 de junho de 2009

OPEN YOUR MIND

O texto que se segue faz parte do documentário “A Normal Diferença”. Um documentário realizado por mim e pelo Richard Solal, em 2005/06 e, que resultou de um encontro de pessoas normais que aceitaram passar um dia na pele de um deficiente motor.

“A magia do mundo está na diversidade das paisagens, dos animais e das pessoas.
Tudo é diferente, por mais semelhante que pareça…
Todos temos características próprias e, por isso somos diferentes uns dos outros, sendo umas mais evidentes do que outras…
Diferenças, a que os ditos “normais” chamam anormalidades, incapacidades, inferioridades, esquecendo-se de que estas também fazem parte da natureza que os rodeia. Esta é a maior incapacidade dos “normais” – a de respeitar a diferença. Julgam apenas pela a aparência, respondendo aos pedidos/direitos dos “diferentes”, com um cruel e egoísta “NÃO”!
Nós, os ditos “diferentes” somos capazes de superar as dificuldades, à nossa maneira. Por isso vocês também têm que ser capazes de, pelo menos, TENTAR superar a vossa, que muitas vezes é bem maior do que as dos “diferentes”.
Todos pertencemos ao mesmo mundo e temos os mesmos direitos: ao amor, à amizade, à OPORTUNIDADE… à VIDA!
Assim como temos todos o mesmo dever de contribuir para um mundo mais unido e humano.
Evoluam, não julguem pela a aparência… OPEN YOUR MIND!”

Rita C. M. Silva, 2006

sábado, 27 de junho de 2009

Quero...

Quero ser tão importante, quanto tu és para mim.
Quero sorrir e ajudar, quanto o teu sorriso me ajuda.
Quero fazer alguém feliz, quanto tu me fazes a mim.
Quero amar a vida, quanto tu me fazes sentir amada.

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Fazer


Uma pintura é sempre uma pintura, boa ou má e, o facto de ser feita com a cabeça, com o pé, com a mão... é apenas uma curiosidade.

O importante é fazer bem feito, independentemente de forma como se faz.

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Dia de S.João (do Capuchinho Vermelho)

Depois da noite de festa
Só apetece fazer a sesta
Com coisas boas na cesta
Lá vou eu para a floresta

terça-feira, 23 de junho de 2009

Noite de S. João

S. João, S. Joãzinho
Toma lá um balãozinho
Enquanto asso um cabritinho
Para o nosso jantarinho

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Mundo de Lego

Se Deus fosse tal como O pintamos, o mundo seria feito de legos, sendo facilmente destruído, mal Ele se fartesse de brincar.

domingo, 21 de junho de 2009

Metamorfose da Vida

Nada volta a ser como era, depois de um dado acontecimento, por mais insignificante que este seja.

sábado, 20 de junho de 2009

Salada de Emoções

A música é uma sequência de sons, que nos entra harmoniosamente pelos ouvidos, enchendo-nos a alma com uma verdadeira salada de emoções.

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Dia D

Não sei que diga, nem sei que faça. Por isso, não digo, nem faço nada!

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Refúgio do Espírito


"Por vezes, com o desespero, a dor, a tristeza, a confusão da vida, o espírito parece-nos totalmente negro… mas algures bem lá no fundo, existe um espaço onde ele se refugia, encontrando a paz e a esperança. No entanto, há sempre um cavalo que passa, cuja cor negra chama-nos de novo à realidade."

Rita Silva
Novembro de 2005

Hoje, em vez de estar a trabalhar no calor abafado do meu quarto, com os constantes ruídos da cidade, bem que batia uma soneca, à sombra dum chorão, junto ao do rio, a ouvir os passarinhos a cantar. Como não posso, vou ouvindo a música do meu simpático amigo Rui Veloso, que me ajuda passar o tempo com boa-disposição.

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Um Momento Mágico em Piccadilly Circus

Na minha viagem de finalistas de 9º ano, em 2000, foi a Londres. Já de si, a viagem foi absolutamente mágica. Para um adolescente, viajar sozinho com os colegas e professores, é simplesmente uma sensação de liberdade incrível! Para além disso havia uma amizade e uma camaradagem entre todos nós, como hoje é raríssimo encontrar.
No entanto, houve um momento, de um ou dois minutos, que me marcou para toda a vida.
Passou-se à noite, em Piccadilly Circus. Estava no meio duma imensa multidão, à espera duns colegas que tinham ido comprar gelados ao McDonald, quando, de repente, sou abordada por um rapaz negro. Enquanto que os meus colegas, a minha mãe e os professores se agarraram às carteiras, assustados, eu mantive-me inexplicavelmente tranquila.
O rapaz falou comigo com toda a meiguice, beijou-me a mão e pediu-me para me beijar na face. Não me lembro do rosto, da voz, nem tão pouco percebi o que ele me disse… Apenas respondi a tudo o que ele me pediu, como se estivesse hipnotizada… Naqueles curtos minutos, tudo o que estava a minha volta desapareceu, só ouvia a voz do rapaz, as suas palavras imperceptíveis que soavam como a mais bela das melodias… A ternura dos seus beijos ficou marcada por muito, muito tempo… ficará marcada para sempre no meu rosto, na minha mão, na minha memória… Num ápice, tal como apareceu, o rapaz desapareceu no meio da multidão, deixando-me imersa no mais profundo sentimento de paz…
Foi tudo tão rápido, tão mágico, que ainda hoje me pergunto: Será que ele era um anjo?

terça-feira, 16 de junho de 2009

O Início e o Fim

O início de alguma coisa é sempre o fim de outra e vice-versa. Afinal, a vida é um círculo, onde o princípio e o fim se fundem num único e complexo mistério.

domingo, 14 de junho de 2009

Violência na Arte

A arte por si própria não é violenta, excepto quando recorre à violência como meio de expressão ou se tem a intenção de violentar ou de incentivar o espectador para a violência. A arte teoriza/interpreta a realidade e ao fazê-lo, reproduz apenas uma imagem fictícia da realidade.
Matar um cão à fome é uma realidade e não uma representação, logo não é, de forma alguma, arte. Por isso, chamar arte a esse tipo de acto ilegal e de extrema violência contra a vida, é também um gravíssimo atentado contra à verdadeira essência do fenómeno artístico! Mais grave é compactuar e aplaudir este tipo de imbecilidade!
É muito importante estabelecer a fronteira entre realidade e representação, caso contrário mergulharemos no mais terrível e absoluto dos caos.

sábado, 13 de junho de 2009

Ponto Negro

Sobre o mais puro dos brancos, há sempre um ponto negro.

sexta-feira, 12 de junho de 2009

Primeiro dia de férias

Hoje é o meu primeiro dia de férias. Satisfeita e aliviada, depois da corrida contra o tempo para conseguir acabar todos os trabalhos e entregá-los na secretaria (com apenas um funcionário) da universidade, deixo-me ficar na cama até tarde. Deitada, já sem sono e com pequeno-almoço tomado, ponho-me a magicar o que posso fazer durante este tempo livre. Planos não faltam, mas ao mesmo tempo tenho uma enorme preguiça de sair da cama, sem me apetecer estar nela. Ligo a televisão, mas a programação é de fugir! Mais vale levantar-me e começar a inventar projectos em que eu possa expandir a minha criatividade. Escrever a minha mensagem diária no blogue, dar uma limpeza ao PC, terminar uma pintura, fazer esboços para outras... Não me falta que fazer, só preciso é de combater a inércia.
Bom, a mensagem de hoje já está, vamos ao resto!

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Liberdade no limite

Há tempos falava-mos do facto do homem ter necessidade de dar nomes e formas ao que vê e ao que não vê. E isso não é mais do que uma tentativa de estabelecer limites face à imensidão do universo desconhecido. É forma que o Homem tem de se sentir livre.
O texto que se segue fala do paradoxo entre limite e liberdade.

EXISTIR OU NÃO EXISTIR

Há quem diga que a felicidade não existe.
Outros dizem que está na liberdade, no amor, no dinheiro, na fama…
Cada um tem a sua teoria, a sua filosofia de vida.
Nada é certo neste mundo, tudo é relativo.
O círculo não tem início nem fim.
Tudo o que existe é infinito como um círculo.
Não sabemos o que é aquilo a que chamamos vida, morte, associado ao início e ao fim.
Julgamos que sabemos.
No entanto não passam de palavras inventadas, para nomear coisas que não sabemos que existem.
Queremos ser livres, mas a ideia de infinito assusta-nos brutalmente!
Criamos limites constantemente, para encontrarmos a liberdade.
O que é a liberdade? Onde começa? Onde acaba?
De novo os limites… Porquê que pensamos sempre neles? Porquê que investimos sempre num caminho que não nos leva onde queremos?
Somos limitados, porque fazemos questões de nos limitar.
Insistimos em dar nome a tudo o que vemos, ao que não vemos ou ao que julgamos ver.
Será que existe alguma coisa?
Será que existimos?
Não seremos seres imaginários?
Será que tudo não passa de interminável sonho?
Será o sonho a chave da liberdade e felicidade absoluta?...

Rita Silva
09/03/2007

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Pessoas Pinturas

O seguinte texto fala daquilo que eu tenho dito, neste blogue, acerca do carácter das pessoas. É um texto que escrevi já há algum tempo, mas que resume esta questão da falsidade de certas pessoas.

Acordo.
As pessoas são pinturas que elas próprias pintam.
Fazem-se de muito prestáveis, sempre preocupadas com o próximo, cheias de palavras lindas, sorrisos e abraços…
“Podes contar comigo sempre, sou teu amigo.” Amigo? Claro, amigo de toda a gente!
Convêm agradar a todos ou à maioria. Assim, tens o lugar garantido na rádio, na TV, nas galerias… ou as eleições ganhas, ou o filme patrocinado, ou desconto no arranjo do carro… Por isso, pintam sobre a tela já pintada.
Volto-me na cama
Aproximamo-nos delas. Vemos-lhe os defeitos disfarçados por várias pinceladas impressionistas que nos encantaram. Assustam-se. Fogem. Desaparecem dias, meses…anos.
Quando menos esperamos, quando menos precisamos… quando começamos a tentar esquecê-las, quando a tinta desbota, elas reaparecem. Reaparecem deitando culpa à luz, à humidade… Dão como desculpa o trabalho, a falta de tempo, um familiar doente, a perda do nosso contacto.
“Podes contar comigo sempre se eu precisar, sou teu amigo.”
Pedem-nos, imploram-nos para restaurar a pintura. Aceitámos, damos-lhes outra oportunidade… Afinal, és “meu amigo”.
Passa-se horas nos laboratórios a tentar restaurar algo. Algo que uma radiografia revela ser falso.
Por mais tentativas que se faça, sabe-se que mais dia, menos dia, a tinta torna a desbotar-se.
Saímos de laboratório e anunciamos que detectamos x quadros falsos durante o restauro. Falsos.
Uns entram desesperados pelo laboratório dentro. Agarram-se às suas pinturas.
“Não, não se pode difamar assim uma pessoa!”
Não vou dizer nada… porque afinal dizes-te “meu amigo”.
Outros esperam tranquilos.
Não vou dizer nada…
Só lamento o tempo que gastei a restaurar o que se vai desbotar novamente, porque é falso. Falso.
Ou nem isso lamento.
Volto-me outra vez.
Sinto desprezo por aquelas pinturas…
Não, nem isso sinto.
Simplesmente esqueço-as, não existem, nunca existiram…
Ou existem, só que eu já não tenho laboratório, nem pinturas para restaurar.
Adormeço.

Rita Silva
02/09/2005

terça-feira, 9 de junho de 2009

Corrida contra o tempo

O tempo passa depressa e nós corremos contra ele, tentando vencer o invencível.

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Cama

A melhor amiga de quem está cansado é… a cama!

domingo, 7 de junho de 2009

Cadeiras de eléctricas sem bateria!

Sabiam que as cadeiras de rodas ELÉCTRICAS são vendidas sem baterias? As baterias são consideradas acessório e, por isso são pagas à parte. Não, não é anedota, é a mais pura e ridícula das verdades.
Ora, comprar uma cadeira eléctrica sem bateria, é como comprar um carro sem motor, não?

sábado, 6 de junho de 2009

Síntese

É mais difícil explicar uma ideia em poucas palavras, do que em muitas.

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Verdade e Mentira

Mais vale uma verdade dura, do que uma mentira longa.

quinta-feira, 4 de junho de 2009

A vida como um argumento

A vida é como um argumento. Tudo o que acontece tem um sentido, mesmo que, em certos momentos, nos pareça absurdo.

quarta-feira, 3 de junho de 2009

Um Grande Amigo Pequenino

Andava eu a passear na romaria do Senhor de Matosinhos, quando de repente, um lindo pretinho do Senegal, com cerca de 3 anos, se agarra à minha cadeira de rodas. Muito irritado, o pequenino puxa por mim, querendo que eu saia da cadeira a todo o custo. Mas, quando percebeu (mesmo sem saber português) que eu não podia sair, resolveu ajudar a empurrar a cadeira! E se o deixasse, até vinha comigo para casa! Foi tão bonito, que as pessoas até paravam deliciadas, para ver aquele menino adorável, vestido a rigor, a ajudar a empurrar a minha cadeira de rodas.

Há cena mais maravilhosa do que esta?
Eu nunca me vou esquecer da imagem tão doce deste meu amiguinho.

terça-feira, 2 de junho de 2009

Arte de Viver

Enquanto artistas, numa primeira fase, criamos pelo mero prazer de criar e de expressar aquilo que nos vai na alma.
A maior recompensa que se pode ter daquilo que fazemos por prazer, é exactamente o prazer de o fazer. O facto dos outros usufruírem do que nos deu prazer fazer é apenas um complemento, que nos deixa ainda mais satisfeitos, independentemente das críticas. E isso é valido para qualquer outras circunstâncias da vida, porque ela também é uma arte e muito complexa...

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Mandões

Os mandões são aqueles que têm a mania que mandam em tudo e em todos, mas quando têm que fazer qualquer coisa, não são capazes de fazer nada.

domingo, 31 de maio de 2009

Romarias

A cultura popular, para além da sua antiga sabedoria, é altamente inspiradora. Quando vamos a uma romaria, mergulhamos numa série de emoções e temos contacto com diversas culturas e formas de arte diferentes. Somos imersos num ambiente mágico, onde tudo acontece ao mesmo tempo. Tanto ouvimos a banda no coreto, como mais à frente, assistimos a um concerto dos Andes, enquanto que pelo caminho vamos ouvindo a música popular, vinda dos altifalantes espalhados pela ruas. A mistura de sons, cheiros, imagens, sensações, é muito intensa. A certa altura estamos a falar com gente de outros povos, com a pessoa que está ao nosso lado e que não conhecemos, duma forma descontraida e familiar. Os preconceitos, estratos sociais, deixam de existir e neste momento sentimos a essência humana, sentimo-nos humanos.
Ora, se isso é inspirador para qualquer um, para o artista que mantém a sua humildade, é um momento absolutamente único!
Felizmente, Portugal ainda consegue manter as romarias, uma tradição quase única em todo o mundo.

sábado, 30 de maio de 2009

Contra o ruído

A música e o silêncio são dois aliados que combatem o ruído, mas também podem ser tão ou mais perturbadores do que este.

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Consciência pesada

A consciência só pesa a quem a tem.

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Voar mais alto

O sucesso do voo não está nas asas, mas sim na sabedoria com que é efectuado.

quarta-feira, 27 de maio de 2009

O Grande Homem

Era uma vez um grande homem, que adorava toda a gente e todos o adoravam. Um dia a sua máscara desfez-se em mil bocados e o grande homem desapareceu...

terça-feira, 26 de maio de 2009

Menina Marioneta

Sou uma simples marioneta, feita de trapos e pau, toda ligada por fios.
De olhos brilhantes e sorriso permanente, lá danço eu neste palco misterioso, fazendo rir ou chorar um público imprevisível.
Sempre presa por fios, mexo-me conforme a mão gigante me manipula.
Bem gostaria de me soltar e ser uma menina livre como todas as outras, mas se o fizesse, cairia inerte no chão.
Bem gostaria de cortar estes fios que me prendem, mas não posso, porque, sem eles, perderia toda a liberdade que ainda tenho. Assim, seria apenas uma velha marioneta desengonçada, à espera que a Fada dos Desejos me viesse dar vida própria. Ficaria então esquecida, à espera da fada, que poderia vir tarde, ou até poderia não vir...
Não, não quero cortar estes fios, porque com eles, pelo menos, posso continuar a viver e a ser a simpática Menina Marioneta!

domingo, 24 de maio de 2009

Corrida Especial

video

Duas lições:
1ª - Os "ditos normais" desistem à mínima dificuldade, ou então tentam alcançar os objectivos de forma indigna.
Os deficientes, para além de nunca desistirem dos seus objectivos, ainda ajudam aqueles que vão encontrando pelo caminho, incluindo os "ditos normais" que tantas vezes desrespeita e julga a diferença como sendo uma inferioridade.

2ª - Se nos ajudarmos um aos outros, conseguimos atingir os nossos objectivos de forma muito mais gloriosa. Este é o verdadeiro sentido da humanidade. Isto sim, é ser civilizado.

O filme chegou-me hoje por email, desconheço o título e o nome do autor, mas devo dizer que está de parabéns, porque o trabalho está realmente magnífico! Se já não foi, merecia, sem dúvida, ser premiado e muito bem premiado.

sábado, 23 de maio de 2009

Perguntas parvas

Dois amigos saboreiam um belo peixe assado. Um deles entala-se e fica aflito.
- Que foi? Que tens? - pergunta o outro, continuando a comer calmamente.

Perguntar não ofende, mas há perguntas que não merecem resposta.

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Solta-se um grito

Nada te impede de soltares o grito que tens preso dentro de ti, mas fá-lo com sabedoria.

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Amigo Verdadeiro

É melhor ter um só amigo, mas verdadeiro, do que cem falsos.

terça-feira, 19 de maio de 2009

Diferença

Para combater o preconceito da diferença é preciso relevá-la, olhá-la com naturalidade e não evidenciá-la.

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Ternura num Sonho


Dormias o mais tranquilo e profundo dos sonos. Eu fique ali, quieta, a ver-te dormir. Fiquei a olhar-te com se nunca te tivesse visto. Deixe-me estar a observar os teus cabelos soltos na almofada, que te davam um ar infinitamente leve. Os delicados contornos do teu rosto, fazem com que pareças uma criança frágil, mas cheia de sabedoria… Perto de ti, sinto-me pequenina e grande ao mesmo tempo. Assim como me sinto tua filha e tua mãe… Olho-te com toda a ternura, ouço o teu respirar calmo e deixo-me embalar…
Passaram-se muitos, muitos dias… mas a imagem deste sonho, permanecerá para sempre num cantinho da minha memória, no qual me refugio para encontrar a paz.

domingo, 17 de maio de 2009

Piada doce

O que resulta do casamento da Nata com o Pastel? Um Pastel de Nata!

sábado, 16 de maio de 2009

Trabalhar é crime!

Um honesto trabalhador, que é despedido ao fim de 18 anos, tem que se apresentar de 15 em 15 dias na Junta de Freguesia, para continuar a receber o subsídio de desemprego a que tem direito. Se falhar um dia, corre o risco de perder o subsídio (que é o dinheiro que ele próprio descontou da indemnização que a empresa lhe pagou).
Um assaltante, dorme uma noite quentinho na cadeia, toma um belo pequeno-almoço e vai à vida dele, tendo (quando tem) apenas que se apresentar na esquadra de 8 em 8 dias.
É de facto, um paradoxo que nos leva a concluir que o crime compensa!

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Cavalinho de Pau

A vida é como um cavalinho de pau que, num carrossel, corre sempre sem parar e sem sair do seu lugar.

quinta-feira, 14 de maio de 2009

O Homem Alto

O homem cresceu sem parar. Era muito alto, tão alto, mas tão alto, que um dia chegou ao céu e nunca mais voltou…

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Falta de Tempo

Corre, corre, corre. Trabalho, trabalho, trabalho. Casa, família, eventos... No fim, sobram 6 horas para comer e dormir.
A vida passa e nós esquecemo-nos de a viver...

domingo, 10 de maio de 2009

Grande Soneira

Não sei porquê, mas estou cheia de sono. Um sono tão forte que os meus olhos até se fecham sozinhos, mesmo com palitos! Ouço tambores, ou melhor já nem ouço, nem vejo nada! Em cima do meu pescoço, a minha cabeça pesa como uma montanha. Só me apetece deitar em qualquer lado e dormir horas. Até parece que fui para a queima embebedar-me e tomar aquelas drogas “super cool” , mas não, nem fui, nem tomei nada dessas merdas, nem bebi uma gota de álcool. Deve ser só cansaço, um grande cansaço causado por uma semana de trabalho e emoções. Acontece a toda a gente, que se cansa, não é? Estou a ficar ainda com mais sono de estar aqui a escrever, sem saber muito bem o quê… Por isso, não estranhem, se de repent… zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz…

sábado, 9 de maio de 2009

Anjinhos e Santinhos

Ninguém é perfeito e quando alguém diz que gosta e se dá bem com toda a gente, é para desconfiar! Anjinhos e santinhos não existem. Este tipo de pessoas geralmente não passam de uns falhados, uns impostores que se servem dos outros e depois (em português corrente) dão-lhes um valente pontapé no cu. Para além disso, alguns destes “anjinhos” podem ser, inclusivamente, perigosos psicopatas. Por isso, é preciso ter muitíssimo cuidado para não ser-mos iludidos.

sexta-feira, 8 de maio de 2009

Mundo ao Contrário

Preciso de olhar o mundo ao contrário, porque só assim é que o posso ver direito. Pois é na imperfeição, que se encontra a maior perfeição.

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Sorria e Chorava

Era ele, eu vi! Tenho a mais absoluta certeza! Era ele e sorria. Estava escuro, mas eu vi que ele sorria. E chorava... Sim, eu vi como ele chorava. O brilho intenso das suas lágrimas feriu-me a vista. Ele sorria e chorava. Estava triste, mas sorria. Chorava. Sorria. Estava escuro, mas ele sorria com amor. E chorava pesadas lágrimas. Era ele, eu vi!

terça-feira, 5 de maio de 2009

Escrita para crianças e para adultos

Escrever para crianças ou para adultos é praticamente a mesma coisa. A estrutura da história é a mesma, só muda a linguagem e o tipo de personagens.
Por exemplo, enquanto que nos contos infantis a princesa apaixona-se por um rapaz pobre, nos contos para adultos temos a rapariga de boas famílias que se enamora pelo toxicodependente. Ambas as histórias baseiam-se na luta do amor contra o preconceito. Tal como mudam as personagens, a semântica e o vocabulário também se alteram. No conto infantil temos frases simples, curtas, objectivas e com um vocabulário rudimentar, tal como "A princesa beija o rapaz.". Para os adultos, o vocabulário é rico, sofisticado e a frases tornam-se mais longas e com várias figuras de estilo, tal como "A rapariga sente-se constrangida, mas o seu coração bate loucamente quando os lábios roxos e secos de Joe, tocam nos seus.".
Com isto já verificamos que, apesar destas pequenas diferenças, a história, a mensagem e a emoção dos contos infantis e para adultos, são as mesmas. O que significa que a forma como o adulto vive e se emociona com a história, praticamente não difere da das crianças.
Por isso e como já disse em mensagens anteriores, é muito importante não deixarmos morrer a criança que há em nós, porque é ela que nos dá a inspiração para escrever e criar.

segunda-feira, 4 de maio de 2009

Shoppings

Estamos na era dos shoppings, Há praticamente um shopping em cada esquina. Quando entramos num, muitas vezes, deparamo-nos com um cenário fantasmagórico. O exagero de shoppings não contribui para o desenvolvimento económico, muito pelo contrário. Isto estoira com o comércio tradicional e as próprias lojas dos centros comerciais não facturam o suficiente para cobrirem as excessivas despesas. Quer na rua, quer nos shoppings, há cada vez mais lojas a fechar… A situação económica piora, há menos poder de compra e o comércio fica entregue aos fantasmas, que por muito simpáticos que sejam não precisam de fazer compras e nem têm cartão de crédito.

domingo, 3 de maio de 2009

Dia da Mãe

Em vez de contribuir para o consumismo, optei por ser prática e original. Numa horita fiz este pequeno cartoon que, apesar de ser simples, não deixa de ter uma certa piada e de dizer o essencial. Porque, afinal, o dia da mãe é todos os dias.

sábado, 2 de maio de 2009

A Identidade do Diabo

Se repararmos temos sempre a tendência para culpar alguém dos nossos males. A culpa é sempre de tudo e de todos, menos nossa! Somos todos uns anjinhos inocentes! E quando não temos a quem deitar culpas, culpamos o Diabo.
A verdade, é que o pobre Diabo nem sequer existe. Ele é apenas uma forma de nós “figurarmos” o mal. Aliás o ser humano atribui uma forma e um nome a tudo o que conhece e que imagina, porque só é capaz de imaginar aquilo que vê. O Diabo é portanto uma mera representação do mal que nós não queremos ou não sabemos justificar.
Isto faz todo o sentido, a partir do momento em que Deus criou o Mundo à sua imagem (confesso que considero esta teoria um pouco utópica, no sentido em que estamos a reduzir a uma imagem, Algo que é infinitamente grande), onde o amor é o núcleo principal, logo não tinha qualquer lógica se criasse uma criatura maléfica. Assim como não faz sentido, vermos Deus como o ditador que nos comanda à distância. Deus é o amor e, o amor é liberdade. Os homens são livres e o mundo depende das suas atitudes, para se tornar mais justo.
Atenção que tudo o que estou para aqui a dizer, já foi dito por um padre e está muito bem explicado num magnífico que acabo de ler. Eu apenas acrescento o facto da mente humana funcionar à base de imagens / nomes. O conhecimento parte sempre da observação. Criamos imagens e nomes para tudo, mesmo para aquilo que não conseguimos ver nem explicar, mas sempre com base naquilo que vemos.
O Homem é minúsculo em relação à imensidão do Universo e o facto de nem sequer saber a sua origem, faz com que ele tenha necessidade de criar teorias, crenças, religiões, para se sentir mais confortável e protegido. Concluindo, vivemos na ilusão, procurando a verdade.

sexta-feira, 1 de maio de 2009

Realidade anedótica

Uma jovem de cadeira de rodas eléctrica, foi passear até ao parque da cidade, mas o guarda barrou-lhe a entrada.
- A menina não pode entrar!
A mãe, que a acompanhava de bicicleta, fica surpreendida.
- Não podemos entrar?! Porquê?
- A senhora pode, mas a menina não!
Vendo que aquilo era um perfeito disparate, a jovem continuou a andar, mesmo com o guarda a tentar travar-lhe a cadeira. Como não estava a conseguir controlar a situação, o guarda chamou o chefe.
- Mas... Desculpe lá, porquê que a minha filha não pode entrar num parque que é público?!
- Porque não podem entrar carrinhos a gasolina! – responde o homem todo convencido.
Enfim, o guarda era tão inteligente, que o chefe nunca mais arriscou em sair da beira dele!

quinta-feira, 30 de abril de 2009

Ser artista

Ser artista é olhar o mundo na sua essência mais profunda. É amá-lo como toda a alma. É reconstruí-lo, repintá-lo, reescreve-lo, “remusica-lo”… É enfrentar a realidade, interpretá-la e criar uma nova realidade, o objecto de arte.
O artista não cria, mas recria aquilo que vê.

quarta-feira, 29 de abril de 2009

Amor cobrado

Ontem comecei a ler um livro de um amigo meu e o que ele diz é bem verdade. O acto de dar é um acto de amor. Isto significa que dar, não é estar à espera de receber algo em troca. No entanto, a maioria das pessoas dão, ajudam os outros, com o objectivo de receber em troca. Dão para ficarem bem na fotografia, para terem um lugar no Paraíso, para terem votos, etc… Deste modo a vida e os sentimentos são mero negócio e a caridade é uma óptima fonte de rendimento.
É uma mentalidade parva, mas que infelizmente se está a desenvolver com notável rapidez.
Fico furiosa quando ouço disparates do género: “Deixei a minha vida por tua causa!”, “Carreguei um filho nove meses, amamentei-o, dei-lhe tudo de bom e ele não retribui minimamente!”, “Ajudei-o e oh…nada!” etc. Desculpem, mas amor cobrado não é amor! A mulher que cobra o amor ao marido, a mãe ou pai que cobra ao filho, e por aí fora, não são seres humanos, mas sim cobradores egoístas!
Quando se dá, estamos a contribuir para um mundo mais justo. E se pensarmos bem, esse mundo é o nosso único lar, se não cuidarmos dele, teremos que viver no caos absoluto. Não me parece muito agradável, sair à rua e tropeçar no lixo, ver miseráveis por todo o lado, ser assaltado ou levar um tiro...
O mundo é de todos, por isso todos têm as mesmas responsabilidades sobre ele. Temos que o amar e cuidar dele! Porque o bem do mundo, é o nosso bem, é a nossa vida!

terça-feira, 28 de abril de 2009

Os Portugueses também são bons!

Porquê que os portugueses têm a mania de só dar valor ao que é estrangeiro? Não de facto somos um povo mais atrasado em relação aos outros, mas também temos coisas boas! Há grandes talentos portugueses que brilham no estrangeiro e cá ninguém lhe liga!Ter estima e orgulho que é nosso, é muito importante para o desenvolvimento do país. Se esses talentos tiverem o apoio e as condições necessárias para se desenvolverem, já não precisam de "fugir" para o estrangeiro e deixar Portugal sem menos um grande cientista, médico, artista, etc.

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Chico

Chico é o robô mais avançado do mundo. Está ser desenvolvido para investigação da mente humana.
É, sem dúvida, um projecto fabuloso, mas com uma grande dose de utopia. Se não somos capazes de compreender a mente humana, através da observação de seres humanos, acho um pouco difícil conseguirmo-lo através de uma máquina criada por nós, a partir do que já conhecemos.
Esta história, faz-me lembrar o filme “Inteligência Artificial”, os robôs parecem autênticos seres humanos, mas não passam de máquinas criadas e programadas à nossa imagem. Quando avariam, destruímo-los.
No entanto, é um trabalho de louvar e que pode ser extremamente útil, não só para investigação cientifica, mas também para sociedade em geral. Estes robôs poderão ser um óptimo apoio para idosos e deficientes, por exemplo.
Não me importo nada que me ofereçam um Chico nos anos, por acaso! Eheheh!

domingo, 26 de abril de 2009

Jericôme

Jericôme era um dos descendentes directos de Jesus Cristo, que César ansiava prender e torturar, até descobrir todo o segredo da Linhagem de Cristo. Julgava ele que assim nunca mais veria o seu poder ameaçado.
Uma pobre camponesa tentava, a todo o custo, alimentar o seu bebé Jerico que insistia em não abrir a boca.
- Vá, Jerico, tens que papar senão ficas doente! – dizia ela.
O pequeno era teimoso e, nem ao fim de meia hora de insistência, abriu a boca.
- JERICO COME! COME, MEU FILHO! – desespera-se a mulher - JERICO COME! Jeri, come! JERI, COME, POR AMOR DEUS! JERI, COME!
Ao ouvirem estes gritos, as tropas de César, pensavam que finalmente tinham encontrado o tão procurado Jericôme. Sem perderem mais tempo, os homens invadiram a casa da camponesa.
- Onde está ele? – perguntou o comandante.
- Mas… Ele quem?! – assusta-se a mulher.
- Ora, ora, não se faça desentendida, senão levou-lhe o filho!
- Por favor, não lhe faça mal! – implora a mulher desfeita em lágrimas – Eu faço o que vocês quiserem, mas não levem o meu bebé…
- DIGA LOGO, ONDE ESTÁ JERICÔME? – irritou-se o comandante.
- Juro que não sei! Nem conheço esse tal de Jericôme…
- EU OUVI-A GRITAR PELO NOME DELE, SUA PORCA!
- Não, nunca disse esse nome! Só estava a tentar dar de comer ao meu Jerico, que…
- Sr. Comandante, já revistámos tudo. – interrompe um soldado - Ele não está aqui, nem tinha hipótese de fugir, porque a casa só tem esta janela minúscula e a porta por onde entramos.
- PARA PRÓXIMA VEJA SE GRITA MENOS, OUVIU?!
Dito isto, as tropas saíram, deixando a camponesa e o menino assustados, na sua casa virada de pernas para o ar.
Mais tarde, Jericôme acabou por ser preso e torturado até à morte, mas, tal como Jerico, nunca abriu a boca.

sábado, 25 de abril de 2009

Acreditar em fadas

Acreditar em fadas, duendes, anjos ou outros seres mágicos, não é sinónimo de infantilidade ou de loucura. Pelo contrário, é uma forma inteligente de enfrentar os problemas e de tornar a vida menos obscura. Quem acredita em seres mágicos, não deixa morrer a criança que há dentro de si e não perde a capacidade de sonhar. Assim consegue ser uma pessoa criativa, mas que ao mesmo tempo tem perfeita noção da realidade. E isso é extremamente importante, sobretudo para quem trabalha nas artes.
Atenção que quando falo em acreditar em fadas, não significa ficar-se esparramado ao sol à espera que uma bela menina com asas nos resolva os problemas. As fadas só são uma ajuda interior para não nos sentirmos tão sós nesta vida tão complexa. Por isso, é preciso lutar diariamente para conseguirmos alcançar os nossos objectivos.

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Dia do Dia!

Por incrível que pareça, vivemos para ganhar dinheiro e não o contrário. Então inventamos estratégias mirabolantes para o conseguirmos. A que está agora na moda é a história dos “dias”. Há o Dia do Pai, o Dia da Mãe, o Dia dos Avós, o Dia da Criança, o Dia da Terra, o Dia do Deficiente, o Dia do Doente, um Dia para cada doença… Enfim, há tantos “dias”, que já nem chegam os 365 dias do ano!
Hoje, por exemplo, é o Dia do Livro! Que bonito! Pois é, mas já pensaram porquê? Aconteceu alguma coisa importante nesta data, para que fosse assinalada como o Dia do Livro?
Já que há “dias de tudo”, porque não inventam também o Dia do Dia?

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Homem do Futuro

(…) Falta uma hora, um dia 45minutos e 27 segundos
27 de Julho de 2050

O homem que hoje sou
Tem apenas uma mão
um pé e uma enorme cabeça
Nã quero pernas para nada
desloco-me de avião foguetão
e se eu quero ir ali
carrego num botão
e vou e torno aqui(...)
João Silva

Este é um pequeno excerto de um texto escrito pelo meu pai nos anos 70/80 (não posso precisar a data, porque já faleceu), que retrata o Homem do Futuro.
É incrível o facto de um homem, que nem sequer ao século XXI chegou, ter previsto a evolução da humanidade de forma tão realista.
Com o rápido avanço das tecnologias, o Homem vai ficar cada vez mais “atrofiado” fisicamente. Se reparamos, as máquinas já fazem praticamente tudo por nós, até já adivinham o nós queremos! A tendência é ficarmos 24 horas ligado a uma Inteligência Artificial que vive por nós. Por isso, só precisamos da nossa cabeça. Tudo isso era menos assustador se a mentalidade do homem evoluísse com as máquinas, mas isso não está acontecer. Continuamos a ocupar a mente com preconceitos estúpidos, a descriminar seres humanos, a matar, a destruir o planeta…Um exemplo: se o Homem do Futuro só precisa de inteligência, porquê que continuamos a descriminar e a maltratar os “deficientes”. Por esta ordem de ideais, não ser eles ser humanos mais evoluídos do que os outros?

terça-feira, 21 de abril de 2009

Falar para o boneco


Há dias em que acordámos de “cu para o ar”. Tudo nos incomoda, até o barulho do chichi da vizinha! Só queremos estar sós!
Pois, mas na verdade aquilo que realmente queremos é falar, chorar ou simplesmente e ter um colinho. Mas… queremos estar sós, queremos desabafar… Ups, em que ficamos? ARRRR, QUE RAIVA!
A solução é tão simples… Falamos para o boneco! O boneco é a melhor companhia nesses momentos de “crise existencial”. Não fala, mas “ouve” e é exactamente o que nós precisamos. Podemos abraçá-lo, chorar em cima dele e dizer-lhe o que não seríamos capazes de dizer a uma pessoa.
Quando falo em boneco, não interessa a sua natureza, pode até ser uma parede! O importante é libertarmo-nos das ideias que nos atormentam o espírito.
Eu cá prefiro bonecas e peluches, pois são fofos, dão para abraçar e até podemos deitar a cabeça em cima deles e adormecer. Para além disso são 1000% fiéis!
É óptimo falar para o boneco!

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Insatisfeitos e outros

O ser humano é o bicho da insatisfação. Nunca está bem, arranja sempre desculpas para se queixar. Sim, os portugueses já bateram o record do guiness neste aspecto.
No entanto, há dois tipos de pessoas: os bem-dispostos e os "patos-chocos".
Os bem-dispostos são alegres e têm uma força de viver contagiante, mesmo que a vida não lhes corra pelo melhor. Encaram os problemas de frente e sabem desfrutar dos simples prazeres da vida. Só com a sua boa disposição já conseguem ajudar quem os rodeia.
Os "patos-chocos" vêm o mundo como inimigo, não gostam de nada nem de ninguém. Têm inveja e culpam os outros dos seus insucessos. Muitas vezes até têm uma vida boa, mas não a sabem aproveitar. Não suportam a felicidade dos outros. Criam problemas só para incomodar quem os rodeiam... Tudo isso gera neles um sentimento de raiva que vai crescendo, até que acabam por se tornarem pessoas extremamente infelizes e solitárias.
Ora, podemos ser infelizes, mas não temos o direito de fazer os outros infelizes!

sábado, 18 de abril de 2009

Um texto por dia

Vamos lá ver se fico viciada nisto ou não? Não é que tenha grande tempo para blogs, mas os profissionais dizem que este é um óptimo meio para treinar e divulgar a escrita. Acredito que sim! Embora não seja muito de seguir o processo criativo dos outros, pois já tenho o meu, reconheço que tenho que me habituar a escrever diariamente, uma vez que esta será a minha profissão. Vou tentar seguir o exercício à risca: escrever qualquer coisa todos os dias. Será se consigo? Veremos!